Compensa ter CNPJ para ser profissional da construção civil?

Ao prestar um serviço de azulejista pode surgir a dúvida: como transformar aquele famoso “bico” em empreendedorismo? O mercado de trabalho da construção civil para esse profissional é amplo e o permite explorar muitas possibilidades: reformas, construção predial, residencial e comercial, obras de todos os tamanhos e manutenção predial, além de trabalhos em empresas e órgãos públicos.

Para atender às necessidades do mercado e transmitir mais credibilidade aos seus clientes, o melhor a fazer é formalizar a atividade de azulejista no MEI. Essa é uma opção que torna o profissional mais competitivo e traz uma série de benefícios que não seriam possíveis no trabalho informal.

Preparamos um guia para azulejistas e pedreiros que vai ajudar quem busca o MEI a compreender os aspectos fundamentais dessa modalidade.

Você sabe o que é MEI?

MEI, ou Microempreendedor Individual, é a forma mais simples e barata de se ter uma empresa, permitindo ao profissional trabalhar como autônomo e ter acesso a CNPJ e emissão de nota fiscal. Tudo isso sem burocracia e sem enfrentar filas de cartório para autenticação de documentos e pagamentos de inúmeras taxas.

A única coisa que você precisa fazer é entrar no Portal do Empreendedor do Governo Federal, preencher os dados que se pede e pronto, sua empresa está criada.  É por isso que o MEI para pedreiros é uma das melhores opções para quem quer ganhar mais clientes, prestando serviço formal e de qualidade.

Quais as condições para ser MEI?

Para sair da informalidade e obter todos os benefícios do MEI para azulejistas e pedreiros, o empreendedor deve estar atento às condições estabelecidas para essa categoria:

  • Não participar como sócio, administrador ou titular de outra empresa;
  • Ter no máximo um empregado com carteira assinada;
  • Ter um faturamento anual limitado a R$ 81.000,00 (renda bruta);
  • Estar dentro das 470 atividades pré-estabelecidas e permitidas pela Resolução CGSN nº 94, de 29 de novembro de 2011.

Com o MEI, o microempreendedor passa a ter a obrigação de contribuir para o INSS/Previdência Social. O percentual é de 5% sobre o valor do salário mínimo mais R$5,00 de ISS para o município.

Benefícios de ser um Microempreendedor Individual

Além da facilidade de se formalizar, os MEI são enquadrados no Simples Nacional. Sabe o que isso significa? Ao trabalhar em qualquer obra, seja ela grande ou pequena, você está isento de contribuições federais, como imposto de renda, PIS e Cofins, pagando apenas um valor fixo mensal.

Por ter um CNPJ, automaticamente você já tem um alvará de funcionamento, sem custo e burocracia, acesso a produtos e serviços bancários, como empréstimo com taxas de juros mais baratas para cursos e modernização das ferramentas de trabalho, por exemplo.

A possibilidade de emitir nota fiscal abre oportunidades para prestar serviços em empresas públicas e privadas, ampliando o número de clientes e também os lucros.

Outra vantagem de ter seu serviço de azulejista formalizado é o acesso aos benefícios previdenciários, como aposentadoria por idade, auxílio doença, auxílio maternidade, aposentadoria por invalidez, pensão para filhos menores em caso de morte.

Essa é uma vantagem a se levar em consideração. Afinal, os riscos na profissão de azulejista são muitos: trabalho em altura, manuseio de materiais elétricos, pesados e pontiagudos, poeira, dentre outras situações que podem causar algum tipo de doença ou acidente de trabalho.

Mas, para ter acesso a todos os benefícios do MEI para pedreiros, é preciso estar em dia com a contribuição mensal.

Você já pensou em abrir uma microempresa individual? É uma boa opção para quem quer expandir os horizontes profissionais e ter seus direitos garantidos.  Para fazer essa formalização, entre no Portal do Empreendedor, veja se sua atividade é contemplada na modalidade e siga os passos sugeridos.

Em breve, você terá um CNPJ para chamar de seu – e poucas taxas a pagar por ele.