Melhores dicas de análise de orçamento

O orçamento de obra é uma das etapas mais importante do projeto. É um processo trabalhoso, que deve ser analisado no detalhe, e pode parecer um pouco complicado para quem faz. No entanto, sem ele, não há contratação de mão de obra, compra de material e muito menos construção.  

É justamente a análise do orçamento que vai definir o custo da obra e o valor a ser pago pelo consumidor final. Além disso, ajuda a equipe de planejamento a manter um controle de gastos mais eficiente.

Essa etapa precisa ser feita com cuidado para não causar problemas futuros, tais como falta de recursos financeiros para terminar os serviços e o prolongamento dos prazos de execução.

 

via GIPHY

 

Não podemos nos esquecer de um detalhe que já é bem conhecido por quem trabalha com projetos de construção: seu custo. O orçamento de obra determina os gastos totais com execução de um projeto.

Mão de obra, terceirização de serviços, custos com infraestrutura de escritório, logística e material de construção, entre outros itens a serem considerados em um projeto de estruturação, tudo está contemplado nos planos de quem toca a proposta. Ou seja, vai desde a concepção até após a entrega do empreendimento.

Com a análise de orçamento em mãos fica mais fácil negociar junto aos fornecedores, ter acesso a informações detalhadas dos serviços e produtos e, ainda, obter dados sobre inovações e futuros lançamentos que envolvem o setor da construção civil.

Contudo, como você sabe, a análise do orçamento não é uma planilha em Excel ou um uma tabela utilizada para lançamento de preços. É uma ferramenta dinâmica, com cruzamento de dados, que precisa estar atrelada a vários fatores, incluindo o mercado financeiro.

Depois de um período de estagnação econômica e suspensão de muitos projetos de construção, o setor começa, aos poucos, a reagir. Para não perder o controle dos custos, sugerimos algumas dicas de orçamento para melhorar ainda mais o desempenho da sua empresa.

 

1 – Faça o detalhamento do custo

 

Para garantir melhor assertividade no orçamento, é fundamental detalhar os custos ao máximo. Para fazer a composição do custo unitário o planejador deve considerar os valores médios com produtividade e de insumos.

Para ter mais precisão nos dados, esses valores devem ser atualizados constantemente. Isso assegura a aproximação entre os recursos orçados e os que serão efetivamente executados.

Afinal, custos com mão de obra, materiais e até mesmo as metas de lucratividade da construtora são alterados com o passar do tempo.

 

2 – Faça visita ao local da obra

 


via GIPHY

Muitas vezes, erros no orçamento do projeto acontecem devido à falta de visita do profissional a campo. Apesar de muitos acharem irrelevante, reconhecer a área de implantação do projeto pode ser essencial para uma estimativa mais realista.

Uma visita proporciona melhor conhecimento sobre as condições da região e do mercado local. Por exemplo: verificar questões relativas ao acesso a obra, a fim de detalhar os custos com transportes, ou checar se na região do empreendimento há ligação de energia elétrica, são boas formas de conhecer melhor o cenário a ser trabalhado.

Além disso, informações técnicas precisam ser averiguadas, como qualidade do solo, relevo, necessidade de desapropriação e demais características que possam impactar nos custos do projeto.

 

3 – Leve em consideração as variações do mercado

 

via GIPHY

Fique atento a todos os aspectos que podem alterar o prazo e custos de uma obra. Muitas construções no Brasil dependem de permissão de execução da obra  que, muitas vezes, está atrelada ao processo de licenciamento ambiental.

Além disso, alguns orçamentos da construção civil são estimados em dólar, fazendo com que o profissional responsável tenha que considerar as mudanças de câmbio no planejamento.

 

4 – Impostos também entram no orçamento

 

via GIPHY

 

Ao fazer análise de orçamento o especialista relaciona somente os valores dos serviços ou produtos se esquece dos impostos. Eles também comprometem o andamento do projeto: taxas de licenciamento, encargos municipais, alvará de construção, registro de responsabilidade técnica (RRT) e até encargos trabalhistas entram nessa imensa lista de tributos.

 

5 – Imprevistos acontecem, mas precisam ser orçados

 

via GIPHY

Em uma obra tudo pode acontecer, por mais que se faça o planejamento com cuidado e riqueza de detalhes. Pode surgir, por exemplo, a necessidade de um estudo especial, alocação de mão de obra especializada para um determinado serviço ou alguma solicitação do órgão ambiental.

Enfim, como o próprio nome diz, não há como adivinhar o que vai acontecer, mas é possível adicionar um percentual para cobrir eventualidades. A sugestão é um valor mínimo de 20% sobre o orçamento. Esse valor irá ajudar a construtora a manter a estimativa inicial.

 

6 – Boa escolha da loja de material de construção

 

via GIPHY

Ao fazer o orçamento de material de construção, o profissional precisa detalhar tudo o que será necessário ao longo do projeto, desde equipamentos para fundação até a etapa de acabamento.

Por isso, escolha uma loja que tenha produtos de qualidade e inovadores, preço, pagamento facilitado e  condições de entrega.

Vale lembrar que o estabelecimento precisa ter uma série de atributos para entrar no planejamento da construtora. Afinal, de que adianta a loja ter um preço abaixo do oferecido no mercado, mas não faz entrega ou não dispor de marcas conhecidas?

A Moldimplas atua há muitos no setor da construção civil com produtos inovadores que trazem agilidade, qualidade e economia para obras.

 

Faça uma visita em nosso site, página do FacebookInstagram ou Youtube para conferir as novidades e venha fazer um orçamento com a gente!